Comunistas.infoComunistas.infoComunistas.info
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
-
09 DE MAIO DE 2021, DOMINGO
FONTE: RC
POR: Cipriano Justo
LISBOA, ANOS 20, SÉCULO XXI
Na primeira sondagem realizada sobre as eleições em Lisboa, o centro-esquerda e a esquerda obtêm uma vantagem considerável sobre toda a direita. PS, CDU e BE somariam 60% dos votos, PSD e IL, 28%, e o CHEGA, 6,1%. Poderíamos, portanto, afirmar que à direita espera-lhe, se estas percentagens se replicarem, uma derrota muito pesada, com o PS (46,6%) a ter uma vantagem de 20 pontos percentuais sobre o candidato do PSD (25,7%).


Claro que ainda estamos a mais de cinco meses do acto eleitoral e, portanto, algumas oscilações ainda se poderão verificar. Além de estar em jogo a presidência da mais importante autarquia do país, está igualmente em jogo a liderança do PSD e o balanço com que o PS parte para as eleições legislativas de 2023. Os resultados eleitorais para Lisboa sempre tiveram uma influência muito significativa na vida interna dos principais partidos políticos. Mas o PCP e o BE não estão imunes às consequências destes resultados, visto precisarem de eleger um número de candidatos que condicione a governação da autarquia, que se tornem necessários para, no caso muito provável de o PS vencer as eleições, fazerem valer as suas posições programáticas.

Uma vez que, como tudo indica, não irá ser possível que o centro-esquerda e as esquerdas se apresentem em bloco, interessa então desenvolver esforços para que no dia seguinte às eleições se consiga estabelecer uma plataforma de entendimento em nome dos interesses do eleitorado de Lisboa e de quem nela trabalha. É indesmentível que desde 2007, quando António Costa foi pela primeira vez eleito que a cidade se apresenta com outras características, mais amigável, organizada e financeiramente mais estável e transparente do que no tempo da última vereação de direita.

HABITAÇÃO Se Lisboa se tornou num polo de atracção turística, com todas as vantagens dela decorrentes, não é menos verdade que a política da cidade tem de ser dirigida prioritariamente para quem nela vive e trabalha permanentemente. A especulação imobiliária a pensar no turismo terá de merecer uma atenção muito escrutinada pela população, de maneira a manter alojadas nas suas habitações tradicionais quem leva anos de residência no mesmo sítio. Uma habitação não é um conjunto de compartimentos com um tecto onde se como e dorme, é um espaço afectivo que nos acolhe e abriga e que nos oferece oportunidades de estabelecermos relações sociais com os outros, com outros hábitos e outros horizontes. Essa é uma alteração que não poderá deixar de se transformar em acções concretas, em que as pessoas hão-de estar sempre em primeiro lugar.

CULTURA Lisboa reúne todas as condições para se tornar uma cidade em que as manifestações culturais devem estar sempre presentes, 365 dias por anos, sete dias por semana. Mas essas manifestações culturais devem ser dadas a conhecer, cá e lá fora. A sua diversidade há-de ter em conta os vários públicos de que é constituída a cidade. Desde o canto lírico á escultura, da dança à pintura, da arqueologia à arquitectura, da ciência ao cinema, da música ao teatro, estes são só alguns exemplos que devem estar constantemente presentes na vida da cidade. É incentivando as escolas de todos os graus de ensino a promover a literacia cultural que nos podemos tornar pessoalmente melhores e mais aptos a expulsar velhas idiossincrasias geradoras de ambientes desconfortáveis. Desenvolver esta necessidade é uma função que deve caber a todos os órgãos autárquicos, nomeadamente às juntas de freguesia, aquelas que com maior proximidade estão aptas a estabelecer a melhor combinação de actividades culturais.

TRANSPORTES Movimentarmo-nos na cidade utilizando os transportes públicos, em vez de um suplício, deve representar um prazer. Ir de Alfama ao Restelo, por exemplo, não deve levar o tempo que nos fica a faltar para tratar de outros aspectos da vida. Embora o preço dos transportes tenha constituído uma medida emblemática, com impacto nas condições de vida das pessoas, o acesso continua a representar o principal obstáculo para se trocar o transporte privado pelo transporte público. Nesta área tão importante para a vida de todos, a frequência, a pontualidade, a celeridade e a proximidade dos pontos onde existem aglomerados populacionais significativos, são aspectos que merecem um investimento cujo retorno não precisa de esperar pelo médio prazo.

COMÉRCIO Se estas são as medidas que a Renovação Comunista entende serem imprescindíveis para tornar a cidade mais próxima e mais acolhedora para os que dela fazem o lugar onde ganham a vida, há que não esquecer que o comércio, principalmente o pequeno comércio, é a actividade que proporciona condições de vida a muitos milhares e que mobiliza e põe na rua milhares de pessoas, indispensáveis para a tornar um lugar cosmopolita, um motivo para a tornar mais atractiva para os que estão e para os que chegam. Há, por isso, que oferecer a esta actividade as condições de funcionamento que a tornem mais aptas a responder ás necessidades da população, por exemplo, revendo o seu horário de funcionamento.

SAÚDE Finalmente a política de saúde para uma cidade com a diversidade demográfica que Lisboa alberga, mas em que os idosos são uma fracção importante de quem nela vive. Principalmente nos bairros mais antigos. Estando prevista na Lei de Bases da Saúde a criação de Sistemas Locais de Saúde – parceria público-público – que conjuga Centros Hospitalares, Agrupamentos de Centros de Saúde, Agrupamentos de Escolas e Segurança Social – seria desejável que esta nova entidade começasse a ser desde já ensaiada, uma vez que está sobretudo focada na promoção da saúde e na prevenção da doença, mantendo naturalmente o acesso aos cuidados na doença. Esta é uma inovação organizativa que tem em vista promover a cooperação de entidades que mais directamente estão relacionadas com a saúde, e que na sua constituição prevê a participação da população.
Não desejando ser exaustiva, estas são as cinco medidas que a Renovação Comunista propõe ao PS, PCP e BE, de maneira a tornar Lisboa uma cidade tão tradicional como moderna.


 

O seu comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório

Digite em baixo os caracteres desta imagem

Se tiver dificuldade em enviar o seu comentário, ou se preferir, pode enviar para o e-mail newsletter@comunistas.info.