Comunistas.infoComunistas.infoComunistas.info
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
-
23 DE SETEMBRO DE 2012, DOMINGO
Nota editorial da NewsLetter de Setembro de 2012
E a TSU foi travada!
Desta vez a newsletter da Renovação Comunista sai na esteira de uma grande afirmação popular. Mesmo sem que uma alternativa verosímil possa estar desenhada, a onda popular não pôde ser contida e desaguou em grandes momentos de afirmação na rua. E mais do que isso, alcançou um objectivo concreto: fez recuar a TSU, uma medida que visava não apenas um novo patamar da ofensiva neoliberal para forçar o seu programa económico, mas foi sentida instintivamente como uma deslocação das relações de classe a desfavor do trabalho.
A situação ficou transformada porque as instituições do Estado trataram de atenuar os prejuízos e empreenderam na contenção do que chama a crise política, um termo que quer dizer crise de governo, e ignora largamente a profunda crise económica e social que atravessamos. Pela lógica, o governo dever-se-ia já ter demitido, as forças da oposição deveriam ter dado sinais de convergência para que se passasse a eleições e um novo governo pudesse daqui para a frente assumir o ónus da condução do pais face às instâncias internacionais e às tarefas de fazer sair o país do fosso em que se encontra. Mas não é isso que está em cima da mesa para frustração de muitos. O que está a acontecer é que se está a fazer tudo para que o país não encontre uma alternativa de curto prazo. O que se procura é manter o espaço de conforto, tanto aos da maioria, como ao PS, que se mostra totalmente avesso a um regresso prematuro à esfera do poder, porque estaria porventura na contingência de ter de fazer acordos de tipo bloco central, tal é a leitura que faz dos dados e dos alinhamentos europeus. À esquerda, alguém ainda balbuciou frases com referência a eleições, mas não se percebe que se empunhe com nitidez essa bandeira uma vez que uma tal saída os obriga a confrontarem-se, também, com a questão da alternativa e a muito difícil questão de desafiar o PS para uma plataforma de convergência.

Quase nos bastidores deste mês de Setembro, houve uma breve referencia à suposta tensão entre movimentos inorgânicos e organizados. Alguns que se assumem como orgânicos afirmaram que só a luta organizada tem condições para modelar a evolução política, objectivamente tentando desmobilizar e desinvestir nas grandes manifestações populares. Esses pontos de vista não impediram que, na realidade, as manifestações não só fossem enormes, mas que lá estivessem tanto inorgânicos como orgânicos. A questão portanto que se põe não é a de opôr uns aos outros, mas sim a de saber como vão os orgânicos captar e ganhar a confiança dos inorgânicos. Na luta orgânica, se quisermos ceder a esse tipo de léxico, também faz nestes dias a sua poderosa afirmação, como é o caso da valorosa greve da GALP, a qual, pela magnitude que atingiu mostra como se conseguiu atrair muitos dos ditos inorgânicos para a luta também E todos esperamos que a grande manifestação da CGTP, agendada para 29 de Setembro em Lisboa, consiga igualmente mobilizar em massa os ditos inorgânicos, que afinal não são mais do que gente que está agora a despertar para a acção política e a fazer a sua própria aprendizagem do que é necessário fazer em termos de organização.

Se o movimento popular em Setembro, ainda não desembocou em real mudança de políticas, não deixou no entanto de exercer uma enorme pressão para que o processo político acelere. Ora, não se compreende como poderá um governo tão fragilizado continuar por muito mais tempo e, portanto, o suspiro de alívio do Presidente da República não será em princípio, mais do que isso mesmo, um mero suspiro. Quer isto dizer que o movimento popular vai continuar a ditar a evolução política e não haverá remédio senão aparecer uma nova solução. É só olhar para os próximos episódios à volta do Orçamento Geral de Estado.

Sem dúvida que as instituições e os partidos à esquerda terão de actualizar a sua análise face ao que a rua vai ditar, assim o desejamos.


 

O seu comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório

Digite em baixo os caracteres desta imagem

Se tiver dificuldade em enviar o seu comentário, ou se preferir, pode enviar para o e-mail newsletter@comunistas.info.