Comunistas.info
Comunistas.info
Comunistas.info
INSCRIÇÃONEWSLETTERLINKSCONTACTOS.
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
ACTUALIDADE NACIONAL
Ver mais
14 DE MAIO DE 2012, SEGUNDA FEIRA
A nossa Newsletter aproveita-se do vendaval eleitoral na Europa para colocar na mesa interrogações e lançar o debate do que pode vir a ser o laboratório político que ficou de certa maneira montado.
É claro que queremos que tudo o que se está a passar seja discutido.

Ver mais
13 DE MAIO DE 2012, DOMINGO
Cipriano Justo
Os resultados das eleições francesas, mais do que quaisquer outras que se realizaram em diversos países europeus no mesmo dia, colocam na agenda política a necessidade de se reavaliar seriamente a política de austeridade que tem sido seguida nos dois últimos anos.

Ver mais
12 DE MAIO DE 2012, SÁBADO
Paulo Fidalgo
Com um potente debate sobre a dualidade nacionalismo vs europeísmo, conduziu a segunda volta das eleições francesas a uma grande vitória do ponto de vista da construção europeia, neste caso incentivada pela frente de esquerda e o PCF e igualmente partilhado pelo candidato vencedor do Partido Socialista.

Ver mais
11 DE MAIO DE 2012, SEXTA FEIRA
André Freire
Ainda este semestre, mais precisamente até Junho de 2012, aguarda-se a edição pela editora «Cavalo de Ferro» do seguinte livro da autoria de Luke March (um politólogo escocês, especializado em estudos sobre a esquerda radical na Europa, e em estudos sobre o comunismo, a URSS e a Ucrânia), e de André Freire: A Esquerda Radical em Portugal e na Europa – Marxismo, Mainstream ou Marginalidade?, Lisboa, Cavalo de Ferro, 2012.

Ver mais
10 DE MAIO DE 2012, QUINTA FEIRA
Carlos Brito
Aí está o poeta a dizer presente, com a sua dorida reflexão e a expressão inimitável, que interpreta como poucas a angústia que invade os portugueses nos dias que correm.
Foi esta a impressão geral que recolhi da leitura de «NADA ESTÁ ESCRITO» de Manuel Alegre.
O livro foi apresentado no dia 20 Abril, em Lisboa, numa propositada identificação com o 38º aniversário da Revolução dos Cravos.
Nada mais apropriado, pois tal como aconteceu com outros livros de Manuel Alegre também este está impressionantemente sintonizado com os sentimentos de desamparo e de legítima revolta que percorrem o país.