Comunistas.infoComunistas.infoComunistas.info
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
-Erica Benner
12 DE OUTUBRO DE 2014, DOMINGO
Cuidado que o Soberanismo pode ser uma forma de conservadorismo
Paulo Fidalgo
Marx e Engels não nos deixaram uma teoria sistemática do nacionalismo e da formação das nações. É precisamente pela falta que faz uma tal teoria que se deve debater e pesquisar e fazer avançar o pensamento. Erica Benner escreveu o famoso "Really existing nationalisms" (Os nacionalismos realmente existentes) já nos idos de 1996 e de onde se podem retirar importantes questões para o debate político. Uma afirmação relevante para a discussão nacional com a corrente soberanista situada no PCP, em setores do BE e da esquerda inorgânica, bem como no próprio PS é a questão da relação entre nação e transformação, política, social e económica.
Erica Benner escreve:

“Engels conclui portanto que um movimento nacionalista não reformador, dirigido contra a opressão externa, mas que deixa intactas as relações de classe e as instituições políticas que geraram os fundamentos da opressão nacional por nações estrangeiras, não devem merecer apoio democrático”.

É uma afirmação baseada no escrito de Engels sobre a partilha da Polónia pela Prússia, Áustria e Rússia…em 1848…

A discussão portanto sobre os soberanistas portugueses, se quisermos extrapolar a reflexão de Erica Benner, é de lhes dizer que até nem é tanto o seu patriotismo que é constrangedor – ainda que os internacionalistas não cantem loas ao patriotismo – mas o que é preocupante é a falta de sentido reformador que esse pendor soberanista exprime….ou realmente não exprime. Ao escolher o terreno exclusivamente monetário, como se a política fosse apenas uma questão de moeda, como aliás querem fazer querer os ortodoxos do Bundesbank, o movimento soberanista abdica de facto de um investimento progressista…. E é por isto também que há uma dificuldade no compromisso com esta corrente. Isto é, estabelecido que for o desacordo, só depois é que será possível o compromisso entre partes distintas que concordem em não dirimir no imediato a questão e conjugarem esforços para entendimentos imediatos que retirem Portugal da alçada das forças monetaristas e austeritárias.


 

O seu comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório

Digite em baixo os caracteres desta imagem

Se tiver dificuldade em enviar o seu comentário, ou se preferir, pode enviar para o e-mail newsletter@comunistas.info.