Comunistas.infoComunistas.infoComunistas.info
QUEM SOMOS
ACTUALIDADE
ACTUALIDADE NACIONAL
Ver mais
27 DE MARÇO DE 2011, DOMINGO
Cipriano Justo
Com o resultado alcançado em 23 de Janeiro, não há à direita quem dê um passo sem a autorização de Cavaco Silva. Mais do que qualquer outro indicador parcelar, seria o incumprimento do valor do défice das contas públicas observado no final de 2011 que poderia representar o argumento maior para ele considerar que estavam reunidas as condições para dissolver a Assembleia da República e convocar eleições antecipadas.

26 DE MARÇO DE 2011, SÁBADO
Paulo Fidalgo
Deitar abaixo o governo do PS só faz sentido quando a batalha mostra razoáveis hipóteses de proporcionar avanços e crescimento de uma perspectiva de governação à esquerda. É pelo contrário manobra arriscadíssima, mesmo que haja quem tenha o cálculo de crescimento eleitoral a curto prazo, quando afinal se pode estar a ajudar o regresso da direita ao poder.

Ver mais
25 DE MARÇO DE 2011, SEXTA FEIRA
Alcides Santos
Começou por circular um mail apelando a um milhão de pessoas na Av. da Liberdade, exigindo a demissão de toda a classe política. Nesse então, ainda se estava em campanha eleitoral para a eleição que viria a coroar Cavaco Silva.

Ver mais
15 DE MARÇO DE 2011, TERÇA FEIRA
Departamento do Ensino Superior do SPN
O Sindicato dos Professores do Norte entende que o ensino superior público, tal como a própria designação indica, deve ser um bem público. A passagem ao regime fundacional por parte dalgumas Universidades abre a porta a uma gestão de cariz privado, cujo desenvolvimento pode, no futuro, por constrangimentos políticos ou mercantis, pôr em causa o serviço público e a liberdade académica. Este é o risco que está também a correr a Universidade do Minho com a proposta de passar ao regime fundacional.

Ver mais
01 DE MARÇO DE 2011, TERÇA FEIRA
Cipriano Justo
Dansons la Carmagnole/ vive le son, vive le son/ du canon. É com estas estrofes da Carmagnole (ver aqui), a famosa canção que exaltava a bravura dos sans cullote na Revolução Francesa, que se inicia a peça de Arthur Schnitzler, A Catatua Verde - taberna de má fama onde se fazia teatro de cordel enquanto a revolução punha termo aos dias do ancien régime.